Dor Pélvica Crônica (DPC)

Dor pélvica crônica (DPC) é definida como uma dor localizada na região inferior do abdômen que persista por seis meses ou mais.

A dor pode se apresentar em região supra-púbica (região inferior do abdômen), região perineal (próxima do pênis, da vagina e do ânus), e/ou como dispareunia (dor durante a penetração do pênis na vagina, que pode ser na entrada ou profunda).

O diagnóstico pode ser difícil devido a múltiplos fatores envolvidos, entre eles podemos citar as causas: Ginecológicas (como a endometriose, miomas uterinos, aderências, varizes pélvicas), Gastrointestinal (síndrome cólon irritável, constipação intestinal), Urinária (cistite intersticial) e Músculo-esquelética (como uma compressão nervosa, fibromialgia, ou até mesmo traumas do parto).

As mulheres com DPC apresentam comumente desequilíbrio e falta de coordenação dos músculos do assoalho pélvico (que podem comprometer as funções miccionais, fecais e sexuais), trazendo consequências para a condição física, psicológica e comportamental.

Nos homens a dor pélvica/perineal pode se apresentar na região peniana ou centro do períneo (região entre a bolsa escrotal e o ânus) devido a alguma compressão nervosa local (por exemplo: compressão do nervo pudendo), compressões dos nervos devido à hérnia de disco lombar, ou a algum trauma ocorrido na região perineal.

 

Como a fisioterapia pode ajudar?


A Fisioterapia pode ajudar através de várias técnicas e recursos a controlar os sintomas (diminuindo-os ou extinguindo-os), reduzir o uso de analgésicos, e prevenir a deterioração das condições físicas e psíquicas, resgatando a integração social e profissional.